Terreiro de candomblé é invadido pela segunda vez por traficantes em Nova Iguaçu

Um terreiro de candomblé foi invadido pela segunda vez por traficantes em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. O espaço foi invadido na última segunda-feira, dois anos após ter sido depredado e ter ficado fechado por três meses por ordem de criminosos. Vizinhos relataram que os invasores disseram que o imóvel agora é o "quartel-general" do tráfico.

 

Um membro do terreiro, que pediu para não ser identificado, contou que quatro homens pularam o muro do templo, por volta das 18 horas de segunda-feira, e arrancaram as câmeras de segurança. Em seguida, eles teriam começado um quebra-quebra.

— Os vizinhos disseram que ouviam barulho de coisas caindo no chão e eles falando: "quebra, quebra tudo. Agora é tudo nosso. Vai ser o quartel-general" — relatou o religioso.

É a segunda vez que o espaço, localizado no bairro Ambaí, é invadido por traficantes. Em setembro de 2017, um grupo de criminosos entrou no templo e quebrou boa parte dos assentamentos de orixás, considerados os itens sagrados mais importantes nos terreiros de candomblé. À época, filhos de santo chegaram a conversar com um líder do tráfico local e conseguiram convencê-lo a permitir a retirada dos objetos restantes.

Depois de três meses funcionando em outro espaço, a comunidade religiosa recebeu autorização do tráfico para retornar ao endereço, mas foi proibida de realizar festas públicas. Segundo um religioso, a investigação nunca foi concluída.

Baixe nosso Aplicativo